22/04/2019
Laboratório em Criciúma é investigado por fraudar exames de caminhoneiros que usam drogas
 


Um laboratório localizado em Criciúma, no Sul de Santa Catarina, é alvo de uma investigação que apura fraude em exames toxicológicos de caminhoneiros. O esquema foi mostrado em uma reportagem exibida pelo Fantástico neste domingo (21). Motoristas que usam rebite, nome popular para anfetamina, contam que ficam até duas noites e dois dias sem dormir após usar as substâncias.
No Brasil, o exame toxicológico é exigido desde 2016 para quem quer emitir ou renovar carteira de habilitação nas categorias C (para caminhão), D (ônibus e vans) e E (trailers e veículos pesados com reboques). Os testes são feitos a partir de fios de cabelo ou pelos do corpo e atingem períodos de até 90 dias antes da data de coleta. Por meio desses exames é possível identificar se o motorista usou maconha, cocaína, morfina, heroína, ecstasy, opiáceos ou anfetamina.

Na reportagem, um dos caminhoneiros entrevistados, que é de Santa Catarina, conta que pagou R$ 500 para burlar o exame e renovar a carteira de habilitação. No Estado, mostra a reportagem, o caminho das fraudes tinha uma escala inusitada: um salão de beleza em Criciúma.
Segundo a investigação, conta Gustavo Wiggers, promotor de Justiça em Santa Catarina, em entrevista ao Fantástico, quem vendia os exames era uma mulher identificada como Sandra Meira, técnica em laboratório. Conforme a reportagem, Sandra buscava os cabelos usados nos exames adulterados no salão que ficava localizado próximo da casa onde ela mora.

O Fantástico foi até a casa da mulher, que segundo apuração chegou a ser presa, mas já responde em liberdade pela fraude. Questionada que tipo de cabelo ela buscava, Sandra responde que era qualquer um. Ela chegava a cobrar entre R$ 800 a R$ 1 mil pelos exames falsificados.

— O caminhoneiro entrava em contato com ela, encaminhava apenas a foto do documento, e realizava o pagamento — detalha o promotor.

De acordo com o Fantástico, Sandra afirma ter agido conforme ordens do dono do laboratório, que morreu ano passado. Ao ser questionada se ela não temeu colocar em risco a vida das pessoas que circulam diariamente nas estradas, Sandra diz que sim, mas defende que era apenas uma funcionária.

A atual dona do laboratório, identificada como Cristina Claudino de Luca, é a filha do antigo proprietário e teria sido denunciada pela promotoria. Ao Fantástico ela disse que culpa, na verdade, seria da ex-funcionária.

— Meu pai estava doente e eu ficava em casa cuidando dele e a pessoa acabou se beneficiando dessa situação para cometer um crime — disse ao defender que não cometeu nenhum crime.

O Fantástico ainda mostrou que, no período de cinco meses, entre janeiro e julho de 2018, o Ministério Público de SC identificou 291 motoristas com laudos falsos não só no Estado catarinense, mas também no Rio Grande do Sul, Paraná e São Paulo.

Por nota enviada ao Fantástico, o Departamento Nacional de Trânsito afirmou que está aprimorando o controle dos exames para evitar que motoristas de caminhões continuem dirigindo livremente sob efeito de drogas.

Fonte: NSC TOTAL: Foto: Foto: Diorgenes Pandini / Diário Catarinense)
 
 
VEJA TAMBÉM
17/05/2019 - Acidente foi registrado na madrugada na BR 282 em Ponte Serrada
17/05/2019 - Citados em delação do dono da Gol negam financiamento ilegal
17/05/2019 - Economia caiu 0,1% no 1º trimestre, aponta monitor do PIB da FGV
17/05/2019 - Tite anuncia seleção brasileira da Copa América em meio a quebra-cabeça
15/05/2019 - 52% dos catarinenses já se vacinaram contra a gripe
15/05/2019 - Após habeas corpus, Temer é solto e deixa prisão no Comando de Policiamento de Choque, em SP
PEÇA SUA MÚSICA
  COMO ANUNCIAR
  TOP 10 MOMENTO
  ANIVERSARIANTES
  FÃ DA MOMENTO
  MURAL DE RECADOS
  PROMOÇÕES
  CLASSIFICADOS
  MENSAGEM DO DIA
  NOTÍCIAS
  GALERIA DE FOTOS
  AGENDA DE EVENTOS
 
© - Ideia Good - Soluções para Internet