07/07/2021
CPI questiona nesta quarta ex-diretor do Ministério da Saúde sobre suposto pedido de propina
 


A CPI da Covid ouvirá nesta quarta-feira (7) Roberto Ferreira Dias, ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde. Os senadores vão questioná-lo sobre a suspeita de que teria pedido propina durante negociações para aquisição de vacinas.

Roberto Dias deixou o cargo na semana passada, em meio à acusação de Luiz Paulo Dominguetti – que se apresenta como representante da Davati Medical Supply – de que em fevereiro, durante um jantar em Brasília, teria pedido propina de US$ 1 por dose de vacina da AstraZeneca, em uma negociação que envolveria 400 milhões de doses.

Roberto Dias nega ter pedido propina e afirma que "terceiros" têm interesse na denúncia. Diz também que não conhecia Dominguetti e que jantava com um amigo quando o vendedor de vacinas apareceu.

Quando a denúncia surgiu, a AstraZeneca informou que não tem intermediários no Brasil. Também afirmou que todas as doses de vacina do laboratório estão disponíveis por meio de acordos firmados com governos e organizações multilaterais, como o consórcio internacional Covax Facility. A empresa acrescentou que não disponibiliza vacinas para o mercado privado nem para prefeituras e governos estaduais.

Também na ocasião, a Davati disse que Dominguetti não tem vínculo empregatício com a empresa e atua como vendedor autônomo. "Nesse caso, ele apenas intermediou a negociação da empresa com o governo, apresentando o senhor Roberto Dias. Sobre a denúncia relatada por Dominguetti, de que o Ministério da Saúde teria solicitado uma 'comissão' para a aquisição das vacinas, a Davati afirma que não tem conhecimento", acrescentou a empresa.

Covaxin
O nome de Roberto Dias também apareceu nos depoimentos dos irmãos Luis Ricardo Miranda, servidor do Ministério da Saúde, e Luis Miranda (DEM-DF), deputado federal, mas em outro contexto, o que envolve suspeitas de irregularidades nas negociações de compra da Covaxin.

De acordo com os irmãos Miranda, Roberto Dias pressionou Luis Ricardo para agilizar a aquisição de 20 milhões de doses da Covaxin, vacina contra a Covid-19 produzida por um laboratório na Índia.

A negociação bilionária é alvo de investigações da CPI, do Ministério Público Federal, da Polícia Federal e do Tribunal de Contas da União (TCU). O contrato foi suspenso na semana passada em razão dos indícios de irregularidades.

Produzida pelo laboratório indiano Bharat Biotech, a Covaxin é a vacina mais cara negociada pelo governo federal até agora: R$ 80,70 por dose. A celeridade no processo e a presença de uma empresa intermediária, a Precisa Medicamentos, também lançam suspeitas sobre as tratativas.

Em depoimento nesta terça-feira (6), a servidora do Ministério da Saúde Regina Célia Oliveira, responsável pela fiscalização do contrato da Covaxin, também citou Roberto Ferreira Dias.

Fonte: G1/ Foto: Reprodução/TV Brasil
 
 
VEJA TAMBÉM
19/09/2021 - Colisão em muro de cooperativa termina com duas pessoas mortas
16/09/2021 - Morre o músico tradicionalista Iedo Silva, vítima da Covid-19
16/09/2021 - Santa Catarina terá Política Estadual de Agroecologia e Produção Orgânica
16/09/2021 - Ministério da Saúde mantém intervalo de 12 semanas para a segunda dose da vacina da AstraZeneca
16/09/2021 - Flamengo vence o Grêmio em jogo com torcida no Maracanã e vai enfrentar o Athletico na semifinal
16/09/2021 - Carlos Moisés assina acordo para repasse de R$ 465 milhões para obras em rodovias federais de SC
PEÇA SUA MÚSICA
  COMO ANUNCIAR
  TOP 10 MOMENTO
  ANIVERSARIANTES
  FÃ DA MOMENTO
  MURAL DE RECADOS
  PROMOÇÕES
  CLASSIFICADOS
  MENSAGEM DO DIA
  NOTÍCIAS
  GALERIA DE FOTOS
  AGENDA DE EVENTOS
 
BR 282 - Em frente a Ideal Veículos, CEP: 89820-000 - Xanxerê - SC
Fone: 49 . 3433 9797 | 49 . 99123 7132
© - Ideia Good - Soluções para Internet